sábado, 31 de enero de 2009

Nosso mundo real....


Se existe um mundo azul, cheio de magia...
eu quero e desejo viajar contigo
a esse universo criado para ambos.
Se existe um lugar por mais pequeno que seja,
donde pudemos ser o que desejamos,
então de mãos dadas vivamos nele.
Se existe um antes e um depois,
não me importa só quero viver o hoje a teu lado.

If there is a blue world, full of magic ...
I want to travel and wish you
that created the universe for both.
If there is a place for smaller it is,
which could be what we want,
then hand in hand live in it.
If there is a before and an after,
I just want it to live today to you.

jueves, 29 de enero de 2009

Não é um sonho....é a minha realidade más desejada.



Recreamos sonhos inimagináveis para a grande tela
E quando pretendemos envolver nossas vidas desse doce prazer
Limitamos o tempo, o espaço, os caminhos,
e ate as nossas próprias capacidades.
Eu hoje e sempre, esbocei sonhos, nos que deixei o tempo
Para ir ao encontro desse caminho,
donde cada um deles é possível de alcançar
Nesse caminho que em instantes parece solitário
Navegamos para além das fronteiras permissíveis
Ao encontro dessa razão de ser, existir e viver
navego nessa mar, de aguas com um azul profundo,
no meio desse bosque de encanto
Desse sonho que desejo sentir encher as mãos y saber
Que a minha vida é como essa grande tela donde
Só ai se permite que a vida seja um sonhos que palpita.
Tu formas parte desse voo que desejo planejar a dois
És a promessa de encontrar o brilho desse caminho a sete cores
Num espaço que só a criança que levamos por dentro
É capaz de descobrir e traduzir.
Quando sentada frente a ti, olhando-te silente sinto-te imerso
No criar da poesia que piegas para mim, sinto cada frase
Contornar meu corpo de mulher amada, desejada
E transmuto o etéreo na nossa realidade mais desejada

Como terra humedecida....


Amo-te como amo o cheiro da terra húmida,
essência da tua dermes, aroma que exalas...
Fugaz porque estás distante,
mas precisa como a certeza deste amor.
Nos acordos do vento,
voz sumida pela bruma em que estou embebido.
Enquanto tu brotas dessa existência proeminentes,
pouco a pouco em silente contornos,
vales dourados em relevantes saliências...
Amo-te porque és o raio que me trespassa e enche de ânimo,
magia originando o recobrar na alegria da tua vivência.
Fixado, não exaurido gozo a beleza
desses graciosos movimentos
e me abandono na flutuação dos teus gestos.
Amo-te igual à planície sobranceira ao mar da tua poesia,
onde exalas fragrância da mais perfumada flor.
Não sei se vem das serras, se vem deste oceano que nos separa!,
mas sei estares em mim tatuada na alma!.
Amo-te porque te sei sempre presente
espírito do meu espírito,
gaivota que habitas os meus sonhos.
Carícia e prazer só nosso, ventre da minha adoração,
andar que me desperta os sentidos
quando cruzas o horizonte
concebendo o mais belo quadro onde a minha mão te pinta
em suaves toques de pincel, solta nas colinas da minha paixão!.

Autor: José Paulo da Costa Ribeiro ®

martes, 27 de enero de 2009

No es ausencia...es desleirme en tus sueños



Quando las palabras parecen no existir
pudiera asumirse que la musa en un instante se hizo volátil.
No son las ausencias, más si la presencia evidente
de desleírme en tu mundo de sueños
para tornarlos en un horizonte dónde nuestras miradas
sea nuestra obra más preciada
dónde el deseo individual se vuelve
en las caricias que pliego en cada roce.
Recorrer tu cuerpo y dejar en el tatuada mis propias huellas.
Nunca dejaran de existir las razones
que alimenta la magia que nos ha envuelto
desde el primer instante.
No es ausencia...es desleírme en tus sueños
para hacer real nuestros deseos.
Para de manos dadas caminar de frente a la vida
sin mirar las huellas de un pasado.
Es estar y ser en ti la realidad más viva y palpitante
es cubrir mi hombro con tu brazo y tu pecho con mis manos
es estar y ser más que un deseo es el germinar de un sentimiento
Es decirte una y otra vez. TE AMO

viernes, 23 de enero de 2009

Um murmullo...no ocaso.



Não procuro ser a melhor, nem mesmo ser diferente
Só quero ser eu mesma, sentir meu coração pular de alegria
saber-te perto de mim.
Desejo viver da maneira que sempre o tenho feito
Olhar na transparência do meu olhar
e poder desde ela contemplar o céu
No seu infinito azul,
poder inflamar as aguas gélidas do teu atlântico
Quero ser tal qual como sou
Sem agregar o que possas pretender que seja
pois deixaria de ser eu com o sorriso franco
A sonhadora que pretende roubar uma estrela ao céu para que
nessas noites escuras seja ela quem nos de a luz precisa
para aquietar o fogo que nos queima na pele
Quero ser a menina que corre caminho ao teu encontro
Saltar em teus braços e ficar assim para sempre
Vivendo um sonho que ambos edifiquemos
protegidos por esse céu celeste.
Caminhar de mão dada
pelo areal donde as gaivotas se sentem protegidas
Recorrer de novo os labirintos para chegar ao centro da macieira
e que seja num beijo que murmuremos nosso desejo
Deixa-me pular sem freio,
ser a gazela que salta livre no caminho
Que pretendo andar a teu lado.
Ser a gaivota que alça em voou
Para acariciar suas assas, mas sempre descende sigilosa
Ao seu sitio preferido,
esse lugar donde ambos nos perscrutamos no olhar
Marcando o inicio de um louvo ao amor que nasceu no inverosímil
mas que se fez corpóreo, no etéreo do espaço que por um instante
Demarcou nossas fronteiras ,
quero gritar paulatinamente teu nome
e como eco senti-lo de novo feito carícias na minha pele

jueves, 22 de enero de 2009

Somente EU....


Não pretendo ser medida,
Nem ser vista como uma mais.
Não quero que me penses imersa
num mundo que jamais purguei,
Quero que ao olhares para mim,
Só me vejas tal qual sou.
Livre como gaivota que sulca um céu azul,
sem medo de tormentas.
Quero ser a carícia nova que descubras
Ser a pele de mulher
na que anelas fundir teus desejos.
Ser a razão de um novo amanhecer
Um redescobrir que existe cores cálidas
Que adoçam a vida em cada acordar
Não quero ser a porta que se abre
acordando medos que qual lúgubres cinzentos
ensombrem o brilho do sol num horizonte
que pretendo ver a teu lado num matiz diferente
Deixa que a vida transcorra dia a dia
E que em cada instante sempre exista uma
razão para emergir esse amor transparente
Que aguardaste no tempo chegasse a ti
Não quero que me penses num mundo
No qual nunca existi. Deixa só que este amor
Seja como criança que cresce e aprende
A erguer-se ante os primeiros passos rastejantes.
Nunca esqueças que mesmo no Inverno mais gélido
Sempre existe um raio de sol que nos abrande o frio
Sempre no meio duma tormenta se abre uma brecha
Para trespassar um céu densamente escuro.
Deixa - me ser essa mulher que só deseja amar - te
Da maneira que só eu o sei fazer.
Permite que no meu murmuro silente seja o teu nome
o nome de homem que arrogue o meu sentir de mulher.

Dormitando sobre teus desejos....


Quando fecho os olhos desde este horizonte longínquo
Sinto estremecer alforriada de desejos,
sensações que se aglutinam
e que só consigo minimizar ante as palavras surradas,
o leve toque de teus dedos no meu rosto
aparentemente submergido num dormitar comprazido,
cingido de sonhos que ambicionam alcançar um caminho mão a mão.
Acordar abraçada fortemente contra teu peito
enquanto minhas mãos se expandem sobre ele.
Olhada que deambulam entre recoitos
que se abrem como asas que desejam
abranger o espaço infinito para sulcar um céu comum.
És o leito donde desejo acordar deste sopor,
és a razão pela qual humedece minha pele
em noites repletas de sedução,
desse desejo de sentir-me dermes em tua pele.
Quando abro meus olhos e vejo teu dormir
tranquilo junto do meu peito,
tua mão abrigando meu ventre,
Sinto a necessidade de adormecer calmando as ânsias,
do desejo de te acordar , respirar profundo
mantendo silenciado o silencio, para não acordares,
minhas mãos como pincéis insinuantes vão contornando teu rosto,
num roce veemente, em sussurros sôfregos,
em pensamentos que se tornam versos
ante o despontar de cada amanhecer a teu lado.

Encanto eterno.....


Contemplo meu amor no ênfase desta claridade,
doçura e encanto em cândido adormecer...
A noite chega com seu vulgar sortilégio ,
para tirar-me de dentro a lava que brota,
chuva no eco de nossos húmidos desvãos
Lábios túrgidos de pura sensualidade,
em que meus olhos sorriem ao ritmo do teu respirar.
Pálpebras que se vão fechando ante meu rosto duro,
suspiro do pensamento...
Toda a amplitude da alma num eterno abraço
em torno da linha que se estende no Horizonte,
moldura de deusa deitada...rosto imaculado!.
No meu transviado e solitário, o sonho dum momento...
Puro de luz viva, em alto pensamento!.
Autor: José Paulo Da Costa Ribeiro ®
Montaje fotográfico: María Lasalete Marques ®

viernes, 16 de enero de 2009

My snow white queen!

Tenho falado à neve este amor,
saudade em vagas ténues, minha doce fantasia,
oceano da ventura, maresia que me envolve.
Estação fria onde os lírios
são recordação no hino da glória...
Planícies férteis, flores fieis que pisei distraído.
Oh imbuir! onde fiquei detido...
Como esquecer o brotar da rosa
nesse imenso eterno beijo!
Até mesmo o mais rigoroso Inverno
é a manhã do maior desejo.
Quando chegar a Primavera
pensaremos na voz da neve trazida pelo vento,
não havendo mais soluço,
frio cruel da maior descortesia.
Apenas lírios nas vagas ténues...
minha doce fantasia!

Autor: José Paulo da Costa Ribeiro
Colagem fotográfica: María Lasalete Marques

sábado, 10 de enero de 2009

Esse nome de homem....


Tu sabes o nome de Homem que me faz estremecer, não preciso de pronunciá-lo.
Na tua pele convertida Eu em aceite que desliza minhas mãos em tua pele
De teus beijos os meus sedentos,
meu corpo ardente entregado a ti cheio de paixão
Minhas entranhas cálidas famintas por teu palpitar
desejosa de queimar-me noite trás noite,
queimar-me de ti e por ti.
Teu aroma de homem,
suor que gota a gota recorre os destinos donde desejo reclinar
fundidos num abraço,
incendiados de luxúria eu a essência dessa fêmea explodindo no meu interior…
sentindo-te expelir vida em minhas fibras
enquanto tu és verbo eu carne que devoras com prazer,
esgrimindo a um mesmo tempo um gemido realizado
nesse desejar ser espuma branca num leito de vida latejante.

Sentir recíproco


Uma chama que arde harmoniosa transformada em dança
Que ampara acesa essa vela da que brota una luz ténue
dando vida as sombra dos nossos corpos,
na parede de um recinto que fazemos nosso em cada palpitar dos dias
Roupa que se mantém ao descuido
no fundo de donde nossos corpos transpiram
Um leito que arde sem fogo perceptivo,
mas que sentimos percorrer-nos a pele
Dois corpos abraçados, entregados ao mesmo cadenciado
de uma musica que se sussurra entre cada sentir,
gemidos e palavras melindrosas que se dizem
Entre o perfilar do que se deseja sentir.
Um descobrir a magia envolvente,
e redescobrir que estamos feitos como gramasso
num só palpitar, sinto intensa plenitude
em cada toque que perfilas em minha pele
Nesse estar sem tempo nem espaço,
nessa música que dançamos a meia luz,
donde o tacto se torna visão,
donde o olhar é murmuro
e as palavras se silenciam em cada beijo.

No leito...



Vem nas asas do desejo coexistir comigo no limiar de nossos sentidos,
viver o doce da pele após a ausência.
...Quero fluir na sedosa fronteira do teu território,
cavalgar na vertigem da tua cândida silhueta a divagar no leito.
Limiar do tempo, véu que deixa antever o despertar de mil estrelas...
Luz, volúpia, emoção.
Dois corpos nus e famintos!, suspensos na distância,
acordando no desabrochar da rosa num cálido beijo.
Impregnado em teu inesgotável limbo,
vislumbro-te a génese numa visão mágica e arrebatadora.
Foco o olhar no esplendor de teus cabelos ao vento,
pescoço esbelto, lábios de sedução!...
Desnudo-te avançando pelos dias que se sucedem,
deixando-me languidamente levar no reflexo do teu olhar.
Espelho que nos une na fusão da pélvis ardente de vontade!,
espírito que habitas no ar que respiro,
no vento ao murmurar teus segredos,
nas gaivotas brincando em nosso sonho.
Fogo que me aquece nas noites frias,
chama que lavras minhas ansiadas,
incendiando-me quando beijo teus seios.
Noite de Lua cheia onde me abraço,
ventre que navego, mar imenso...
Oceano do meu desejo, cubro-te como o vento,
no deslizar das mãos em teu corpo nu,
língua tácita percorrendo o auge dos teus doces recantos.
No leito seios exóticos e perfeitos na luxúria do espaço,
ancas declinadas onde me abrigo na quentura do teu toque roçado,
lânguido no lugar que ávido fico cativo.
Dedos percorrendo sua extensão e contornos,
erecto fico envolvido em latejante carne,
lacrando-nos nas correntes do orgasmo e arrebatamento.
Autor: José Paulo da Costa Ribeiro

jueves, 8 de enero de 2009

Perdido no teu Mar....

Fotografía María Lasalete Marques ®
Den haag - Scheveningen
Holanda

Só de pensar em cada poro do teu corpo estremeço
Fecho os olhos e quando respiro,
sinto teu cheiro invadir-me a alma
Teu sorriso acariciando-me a mente
fazendo-me escravo da tua beleza
Qual naufrago perdido no mar
encontrando na tua imagem
a liberdade de voar mais alto
Anjo que habitas meus sonhos com tua magia,
vislumbrando uma nova era onde tudo é luz.
O arco íris compõe na perfeição
os contornos de teu corpo a brotar de vida,
depois de um rigoroso Inverno
antevejo o desabrochar da Primavera em teu olhar divino.
Fonte de vida na que me galanteio,
na frescura da tua presença de Mulher
Força inesgotável, centro de um Universo
onde se expandem meus sentidos...
entregando-me de corpo e alma,
para receber a dádiva penetrante da tua alvura
cada fibra de meu corpo atroa,
incendiando-se nestas aguas que já não me contrafazem
Teu corpo é o mar em que respiro,
coexistindo na tranquilidade do meu desejo,
mergulho em ti sabendo que tuas profundezas
são o espelho do céu que nos cobre.
O luar que veste minha pele vertido nos contornos do teu corpo.
Autor: José Paulo da Costa Ribeiro

miércoles, 7 de enero de 2009

Medo de viver...

IMAGEN240

Medos que palpitam no ar, num tédio pensamento que revoluteia
Na incerteza da vida que jamais julgamos possível de sustentar nas mãos
Medos que em ocasiões podem foguear a roca mais dura
quando o ardor do fogo abranda o ferro mesmo,
Medos que amanhecem em cada emergir do sol
E que como borrasca escurece o olhar que se deseja límpido
Para ver que aquele alento y asa de anjo que se pousou nas mãos
é uma dadiva divina que nos permitira redimir-nos das feridas
que outrora abriram no nosso coração e nossas crenças.
Trégua que devemos dar-nos para ver a imensidade
Do que se nos brinda no caminho,
esse emergir da lama donde alguém nos mergulho.
Medos que deambulam em cada recanto dos nossos pensamentos
E que em ocasiões damos corpo mesmo, alimentado seu palpitar.
Nunca vivas submergido nesse medo que escurece o céu diáfano
que se abre ante teu olhar, não mergulhes na lama o linho branco
Abre-te a esse arco íris que brilha ante ti, solta o lastre e as amarras
Que te apresam ao porto que já se dissipo no tempo.
Corações rotos e mariposas de mil cores num espaço que acreditamos
jamais poder conciliar ,assim a instantes em que somos capazes de
dar a vida por um sonho, que teus medos não sejam o sebo que te impeça
caminhar de novo numa vida cheia de mil aromas de primavera, de mil cores
Mil estrelas que brilham no infinito.

Um renascer na Primavera....

Fotografía María Lasalete Marques

Hillversum Holanda

Inverno intenso, o impelir da vida presente ante u Outono
que se alonga num abraço que se dissipa no tempo
e ao se afastar vai deixando marcas ao seu passo
arvores desprendidas de suas folhagem
a força do vento que verga os troncos despidos
em cada afrenta os fazem praguejar na sua fortaleza
ao resistir-se a cada embate.
Dando asas aos sonho que parecem se manter
na solidão do tédio cinzento que torna o sol tácito
despertar a vida desde os silêncios emudecidos,
mergulhados no manto branco que os faz estremecer.
Um ciclo que sempre se faz presente, em cada despertar da primavera.
Depois de cada dormitar cobertos dum manto de linho branco
em cada Inverno após o desfolhar das árvores num breve adeus ao Outono.

domingo, 4 de enero de 2009

Sopros no vento....

video

Sempre presente, em cada roce de pele
que o vento me trás tua doce presença mama...

Um espaço donde só as lembranças
nos fortalecem na esperança do retorno a casa
Sonhar acordada, dormir comprazida
duma vida donde a magia esta presente
em cada amanhecer.

Sonhos de criança que se mantêm impolutos no tempo
uma retrospectiva na senda duma historia que ainda se escreve.

Desde essa janela a desnudes de arvores que engendram vida silente
para cobrir-se de folhagem em primavera.

Em cada repousar do tempo um caminho na areia
marcas que se tornam caminho a percorrer
uma homenagem a quem sem pedir
claudica de seus sonhos para tornar os meus reais.

Um passeio na terra que com orgulho
percorro em cada compartir com os País
“Sua Ria de Aveiro”.

Uma chama que da vida nesse estar
uma ceia de entre relembranzas
anedotas, dor, alegria, sofrimentos
mas donde prevalece a essência dos afectos.

Ser feliz, não depende de quem esta a nosso lado
nem das coisas que possamos possuir.
ser feliz só nos o podemos conseguir
em cada tropeço uma lição de vida
em cada logro um merecido avanço. No caminho que dia a dia empreendemos

Um caminho de volta....aguardando encontrar
os que esperam por nós...

Dos miradas unidas en un sólo espacio..
en un mismo deseo y un mismo sueño.
María Lasalete Marques ®
José Paulo da Costa Ribeiro ®

Una vida.....



Una vida sin caminos programados, sólo un camino que se
desea vivir desde la esencia misma de la vida.
Un vivir sumergida en la magía de todo aquello que verdaderamente importa.

María Lasalete Marques ®